Anatel bloqueia ligações de telemarketing, e agora?

  • Porque o telemarketing não funciona.
  • Não é o fim da prospecção por telefone.
  • O nascimento de um novo método.
  • Como fazer uma ligação de prospecção.
  • Consultoria gratuita para sua prospecção.

Já agradeceu a Anatel hoje?

Você já deve ter recebido alguma ligação do telemarketing de uma empresa que você nunca teve relacionamento.

É chato, né?

Não é atoa que a medida tomada pela Anatel tem o nome de ‘Não Perturbe’. 

O pior é que eles tentam te fazer comprar algum produto, sem nem saber se faz sentido para você.

Essa prática ruim tem nome e sobrenome: Cold Call – também conhecido como aquela ligação fria de telemarketing.

Nesse texto vou te mostrar porque o telemarketing não funciona mais e apresentar o nascimento de uma nova metodologia para ligações eficazes.

Porque o telemarketing não funciona

Primeiro, você precisa entender o que é Cold Call.

O Cold Call – como foi citado acima – é considerado como o primeiro telefonema para um cliente em potencial, com o objetivo de buscar alguma informação, iniciar um relacionamento ou até mesmo, realizar uma venda.

Colocando o significado dessa forma, até parece ser uma boa estratégia – e de fato é pra ser.

O problema está na maneira como interpretam a estratégia e principalmente, como a colocam em prática.

Tem sido um método ruim de abordagem simplesmente pelo fato de que, quando você tenta vender algo, o foco precisa ser 100% na experiência do seu cliente, não o contrário.

Empresas que tem colocado o sucesso da venda, antes do sucesso do cliente, estão com seus dias contados.

As pessoas conseguem sentir isso já na maneira como você aborda elas na primeira ligação.

Mas calma, isso não quer dizer que é o fim da prospecção por telefone, na verdade, é o grande inicio da maneira certa de ligar.

Não é o fim da prospecção por telefone

Existem excelentes maneiras de iniciar uma abordagem numa ligação sem que o cliente perca o interesse.

Quando você tem uma base de dados atualizada, isso te possibilita segmentar melhor quem deve ser abordado, fazendo do Cold Call uma prática mais efetiva.

Assim, é possível segmentar os contatos e gastar mais energia e foco nos clientes com mais potencial. Personalizando esse primeiro contato, a chance da conversa evoluir aumenta significativamente.

Um ponto muito importante na hora do contato é ter um objetivo claro com a ligação.

Em vendas mais complexas, como no segmento B2B, dificilmente se iniciará uma negociação durante um breve telefonema ou muito menos uma venda.

Por isso, o foco deve ser claro. Se o objetivo é marcar uma reunião, por exemplo, a fala deve ser voltada para o agendamento da reunião. E só!

Entretanto, com a tecnologia e o avanço das técnicas de vendas, será que ligar para alguém que você muitas vezes mal sabe o nome, é a melhor forma de conseguir novos clientes?

Mesmo que você trace um objetivo para a ligação, ainda tem muito chão pela frente.

O nascimento de um novo método

Com o objetivo de superar os desafios do Cold Call, Aaron Ross desenvolveu uma nova metodologia para os mesmos objetivos do Cold Call: obter novas oportunidades de negócios.

No livro Receita Previsível, Ross e sua parceira Marylou Tyler explicam e detalham essa nova metodologia, que eles chamam de Cold Call 2.0.

O Cold Call 2.0 não tem nada a ver com o Cold Call tradicional, na prática.

Enquanto tradicionalmente o Cold Call é baseado em ligações telefônicas, sua versão 2.0 é baseada no disparo de e-mails e na metodologia desenvolvida por Ross e Tyler.

Essa nova abordagem permite:

  1. Melhor mensuração de resultado
  2. Técnicas de vendas autênticas e íntegras;
  3. Maior capacitação da equipe comercial para a prospecção;
  4. Melhor relacionamento com o contato abordado.

Pelos resultados obtidos, essa nova metodologia tem se tornado uma prática importante dentro das atividades comerciais de várias empresas.

Sua maior vantagem, como o próprio título do livro diz, é a possibilidade de receita previsível.

Isso porque, após a implementação do processo, essa metodologia possibilita previsibilidade no processo de prospecção comercial.

Ou seja, implementando o Cold Call 2.0 e as técnicas de Aaron Ross é possível monitorar, prever, escalar e crescer exponencialmente a produtividade do setor comercial.

O que será que funciona melhor? A versão tradicional do Cold Call ou a versão 2.0?

A melhor forma de responder essas perguntas, é testando.

Como fazer uma ligação de prospecção

Para alguns, realizar uma Cold Call pode parecer uma coisa simples, mas é necessário ter atenção em alguns pontos na hora de fazer a ligação:

  1. A forma como se fala, sobretudo o tom de voz;
  2. Quantidade e qualidade nas interações.
  3. Seguir uma ordem pré-definida, mas não preso à leitura de um script;
  4. Empatia e cordialidade.

Você pode baixar o nosso guia da prospecção ativa, para entender como realizar uma ligação que resulta em venda.

Conclusão

Principalmente no mercado B2B, o Cold Call pode encontrar desafios significativos.

Por ser uma prática recorrente e por vezes considerada invasiva, o Cold Call encontra certas resistências.

Imagina quantas ligações um gestor ou um diretor de uma grande empresa não recebe por dia. Por isso, a tendência é que cada vez sejam adotadas políticas para dificultar ligações frias.

Quem já vivenciou esse tipo de experiência no telefone, sabe que é difícil falar com alguém que não conhece, mesmo quando sabemos o nome e o cargo da pessoa.

É uma atividade braçal que requer tempo, muitas tentativas e nem sempre traz o resultado esperado.

Para que você não perca tanto tempo procurando a maneira certa de abordar seus clientes, deixe seu contato aqui embaixo para receber uma consultoria gratuita da sua prospecção.

Bora vender!


Artigos Recentes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *